Será essa a próxima vez de conhecer o que não conheci?

por Sal e Sol

Pra quem ainda não percebeu, sou completamente apaixonada por Paris. Fui a primeira vez pra comprovar e a segunda e todas as próximas pra tentar conhecer tudo o que eu puder.

Hoje li um texto na coluna “Opinião / Especialista”, da Danuza Leão no caderno de Turismo, da Folha de São Paulo. O caderno com título de capa “Luzes de Fim de Ano em Paris” tem um texto da Danuza que  é quase um segredo compartilhado. Intitulado “Dá pra acreditar que nunca subi na torre? – Danuza Leão, haituée de Paris, conta que nunca vai a pontos turístico, mas promete visitá-los da próxima vez” é um afago na minha aflição.

Senti um pouco de culpa quando deitei a cabeça no travesseiro na minha última noite em Paris há quase dois anos atrás. Fiquei pensando se teria a chance voltar àquela cidade linda mais uma vez, que deveria ter ido até o Arco do Triunfo de Napoleão (só vi de longe, ainda bem que é gigante), ter subido na Torre, ter sido menos chata e visitado o Louvre nos primeiros dias e não na última tarde (assim poderia ter ido 2 ou 3 vezes) e assim por diante.

Eu tenho uma certa aversão a turistas que parecem baratas tontas com suas câmeras digitais olhando pelo LCD e não para a Notre Dame, fotografando a pobre coitada da Mona Lisa sem nem querer saber de mais nada que tem no caminho que vai até ela, de cachecóis com inscrições repetidas de” I ♥ Paris”. Mas eu sou chata! cada um tem direito de curtir sua viagem do seu jeito.

O texo da Danuza fala disso, com o pequeno detalhe que diz que ela deve ter ido umas 80 vezes a Paris. Eu ainda estou indo pela segunda (de muitas) vezes e concordo com ela que dá próxima vez (que seja nessa) irei visitar vários pontos turísticos, porque: “é essa história de não querer fazer programa de turista que atrapalha a vida. Mas afinal, o que eu sou lá?” (Danuza Leão)

O fato é gostei de me sentir fazendo coisas de parisienses, comprando meu queijo, minha bagette e meu vinho, de braços dados com o meu (mais um possessivo) Felipe e indo para a nossa casa, como se morássemos lá há séculos. Gostei quando um parisiense nos perguntou uma informação, gostei de ter passado despercebida pelo vendedores de coisas múltiplas na subida da escadaria da Sacre Couer!

Dessa vez terei três dias sem o Felipe pois ele estará com comprimissos, então eu comprei um guia de viagem e, alimento a vontade de conhecer Versailles!

No próximo post: Guias para uma viagem com a sua cara!