Os à moelle à la fleur de sel | Vive Le Clown!

por Sal e Sol

Fomos e voltamos, mas não levei o computador, então não postei uma vez de Paris. Como muitas pessoas pedem dicas quando viajam para lá, vou publicar algumas dicas por aqui mais um tempinho, depois tudo volta ao normal.

A viagem foi uma delícia apesar de ultra-corrida, o marido trabalhando, eu trabalhando com ele e ainda tinha o blog do Paraty para postar diariamente. O tempo livre era absolutamente dedicado a exposições, passeios, amigos e, obviamente, CO-MI-DA. É sobre esse último item que vou falar nesse post.

A apenas 20 metros do Circo de Inverno (o único circo em alvenaria ainda em pé e em funcionamento em Paris), fica o restaurante Le Clown Bar um marco para os artistas circenses no século XX.

Com decoração que evoca a arte do circo, palhaços, estrelas, cartazes preenchem o ambiente e criam uma atmosfera de imersão.

Olha o teto do lugar!!

O menu é pura cozinha francesa, cheia de simplicidade, aromas, sabores únicos. Pratos como carne assada, cassoulet e outros clássicos, para não dizer antigos e esquecidos, figuram por lá.

Fomos lá após assistir ao programa de Olivier Anquier em Paris, que nos fez abrir o apetite para comer um sabor da minha infância. Sempre servido em porções mínimas, quase como um tesouro, o meu tutano era como um diamante, quando minha mãe tinha a felicidade de encontrá-lo cozinhando.

No Le Clown a história é muito diferente: comi o maior tutano da minha vida. Era tão enormemente delicioso que até dividi com com Felipe sem, nem mesmo, reclamar.

O nome francês para essa saborosa e inesquecível viagem gastronômica é:

Os à moelle à la fleur de sel, pela qual pagamos a bagatela de  7.50€

Sim, é a medúla óssea, mas é uma delícia!

Completei o meu jantar com um saboroso penne com cogumelos na manteiga, acompanhado de um vinhozinho pra aquecer os corpinhos nesse outono que já começa, de fato, a preceder o inverno.

Enfim, nota dez para tudo, inclusive para o atendimento que não se assemelha em nada a paranóia de São Paulo, onde você mal pode respirar que já tem alguém no seu cangote tentado te ajudar. No Le Clown o simpático atendente é o bar man, o caixa, o garçon, o mâitre. Ele cuida de tudo com calma, enquanto os parisienses dão uma aula de como apreciar a vida, as longas refeições, as companhias, tudo sem pressa!!!

p.s. Merci, Olivier, nosso jantar foi uma maravilha graças a você!

(!) Ah, quando puder vai lá:

Le Clown Bar – 114, Rue Amelot, 75011 Paris