Cidra é coisa séria

por Sal e Sol

Na penúltima vez que estivemos em Paris, o marido me levou a um bistrô chamado l’Ebouillante para comer uma coisinha que chama-se brik e tomar uma cidra. Eu fiz cara de espanto e disse: – Cidra?!

A cidra, o brik, a torta cremosa de chocolate

Pois é, eu nunca tinha bebido cidra (de verdade!) na vida. E essa vez no l’Ebouillante também não foi a primeira vez, pois as cidras artesanais pelas quais o marido estava à caça estavam em falta.

Agora, nessa última passagem pela cidade luz, a correria quase nos impediu de ir comer o tal brik n.11 e tentar mais uma vez experimentar a cidra, se não fosse a insistência do marido em ir lá de mala e cuia (sim, a moça que nos alugou o apartamento não tinha coração e não liberou nem um minuto a mais de estadia para nós, mesmo sabendo que nosso vôo era as 19h e nos colocando pra fora de casa as 11h) no nosso almoço derradeiro anterior a ida ao aeroporto.

Enfim, chegamos ao restaurante, marido prontamente solicitou uma garrafa de Cidra e para o meu espanto era absolutamente diferente daquilo que havia bebido um dia na vida intitulado como cidra.

Fui pesquisar um pouco e saber a origem. Cidra é uma bebida fermentada feita com suco de maças, com gradação alcoólica entre 2% e 8,5%, muito popular nos EUA, Canadá, Reino Unido, França, entre outros países. Algumas delas são produzidas desde 1870, de forma artesanal como a Le Père Jules, que iniciou sua fabricação em 1919, e obteve títulos de apelação de origem controla (A.O.C.), e já está na quarta geração familiar fabricando Cidras.

o fundador da Le Père Jules com seus Filhos

o rótulo da Cidre Le Père Jules Brut

Cidra à parte, o Brik nº11, nosso preferido é uma delícia que também vou tentar fazer em casa, com essa massa super fina e crocante(que ainda não sei ao certo do que é feita), é recheado com ovo, tomate, queijo gruyère, cebola, queijo de cabra, creme frâiche e coentro.

A Cidra que tomamos foi a Le Père Jules, Brut, 5% vol., e custou 6 euros. o Brik, 14 euros e a magnífica fatia de torta de chocolate cremosa, não consigo me recordar!

Quando puder vai lá:

l’Ebouillante

6, rue Barres, Paris

75004