pelo Rio São Francisco 2

por Sal e Sol


a nascente da nossa viagem.

Gente, sobrevivi! Calor, muito calor… um calor louco. A viagem foi linda, o trabalho vai render bons frutos e as reflexões permanecerão por um bom tempo. Nosso país é diverso, sua extensão permite encontrarmos vários países dentro de um.

Foram 9.374 km de viagem. Passamos por 5 estados cortados pelo Rio e ainda tivemos disposição para um esticadinha até Juazeiro do Norte, só pra ver o Padre Cícero.

Passamos por longos trechos de seca, daquelas de entristecer. A Caatinga é brava e não permite ali viver quem não tiver endurecido pelo tempo.

Projetos sociais como PAC, Bolsa Família, Fome Zero, 1 milhão de Cisternas, Luz pra Todos, além de gigantescos canteiros de obras como os da Transposição das Águas do Rio São Francisco e a ferrovia Transnordestina ajudam a ter uma idéia do porque o Nordeste não parece mais tão esquecido e, sobretudo, a entender a aprovação com números astronômicos do governo do nosso ex-presidente e a sua sucessora, naquela região.

Em contraponto as cores que encontramos são vibrantes, alegres, animadoras, e estão por todas as cidades.

fotógrafos populares fazem uma festa de cores em Bom Jesus da Lapa

A viagem gastronômica não foi como eu esperava, mas também pudera, tínhamos tantas coisas do projeto documentário pra tratar que não me sobrou tempo para investigações mais profundas sobre este tema. Apenas tempo pra comer!!

Um coisa eu posso dizer sobre isso: comemos bem, porém grande parte da viagem, sem variedade. Definitivamente o cardápio cotidiano nos lugares  por onde passamos era composto basicamente por feijão, arroz e carne (de sol, seca, frita, cozida…). Como nosso trajeto era o Rio, peixes também figuravam no menu apesar de termos viajado durante a Piracema (época de reprodução dos peixes e de pesca proibida). Frutas e legumes são fartos e diversos no Vale do São Francisco, onde projetos de irrigação permitem boas colheitas. Lá visitamos a vinícola Rio Sol e ficamos impressionados com as possibilidades que o Rio oferece.

Em São Francisco conhecemos um fotógrafo que diz que Lampião morreu com 95 anos de idade. Mas isso é conversa para outro post!

a caminho da Grota de Angico, onde Lampião teoricamente morreu (?!)

caatinga fechada para o fim de Lampião e seu bando

a balsa mais segura do planeta Terra. O caminhão em cima de duas canoas!

largada da corrida de barcos a vela em Piaçabuçu-AL. o nosso último dia de trabalho.

Enfim, muitas coisas para lembrar, contar e discutir.

Passei o meu anivers em um lugar lindo. Menino me deu de presente uma estádia na praia dos milagres no Aldeia Beijupirá, pousada do mesmo dono dos restaurantes Beijupirá de Porto de Galinhas e que agora está também em Olinda. Lugar calmo, lindo e romântico.❤

De lá seguimos para Olinda, minha terrinha, para Menino conhecer a minha família, por lá matamos a saudade, seguimos uma seresta pela ruas iluminadas e policiadas de Olinda (!), vimos a corrida de bonecos gigantes e descansamos um pouco para enfrentar a longa e tão esperada volta pra casa.

É isso, aos poucos vou postando coisinhas por aqui.

bisou, bisou, tetéia.