Correr e Comer

por Sal e Sol

Os livros de Anthony Bourdain e Haruki Murakami

Depois de ler as escancaradas portas do Cozinha Confidencial, de Anthony Bourdain, engatei quase que automaticamente o livro Do que eu falo quando falo de corrida, de Haruki Murakami. O que os dois tem em comum além do fato de serem grandes romancistas, viajarem bastante e escreverem sobre isso, é que eles têm determinação, perseverança e concentração extrema para aquilo que estão fazendo. O que impulsionou Bourdain para as panelas foi um motivo bem distinto, porém tão casual, quanto o que levou Murakami às corridas de grande distância.

O primeiro chocado com o sabor das primeiras ostras de sua vida, de ter sido excluído em um almoço em um grande restaurante quando ainda era garoto e dotado de habilidade nata (ou o mais puro e delicioso talento) para o metier, virou chef. Já o segundo decidiu aos 29 anos largar o bar de jazz que administrava para tornar-se escritor. Com 33 percebendo que o ofício de romancista exigia horas e horas e horas sentando em uma cadeira escrevendo decidiu começar a correr.

Dos dois livros tiro importantes conselhos na cozinha e na corrida. A primeira já é um grande caso de amor a segunda ainda uma paquera tímida e discreta, mas ambas assustadoras para mim. O relato de Anthony faz tudo parecer muito mais terrível do que eu imagino que realmente deva ser dentro de uma cozinha. Apesar do humor, das grandes histórias inesquecíveis e dos momentos de calmaria que ele destila ao longo do livro, ainda paira no ar um tom de isso é para “homem”, “você tem que ser bem macho pra aguentar isso aqui” (homem e macho obviamente incluem mulheres bem bravas). Murakami vem com a calma, a organização e o método, provando que qualquer um é capaz de correr 10, 15, 20 ou 42,195km (uma maratona), contanto que se tenha em mente bem claro os seus objetivos. E vai além quando relata sua experiência na ultramaratona e nos triatlos. Vale considerar que hoje ele já é um senhor de idade em plena atividade física.

Ontem, sem intenção de encontrar essas imagens, em uma pesquisa no Google encontrei duas fotos que me deixaram bem contente: Gordon Ramsay e Michel Roux Jr, correndo (em situações diferentes, claro). Correndo, correndo mesmo. Correndo maratonas. Qual o primeiro pensamento que me vem a cabeça? Síntese. Chef e maratonista. Alimentou ainda mais a minha idéia de que eu também posso, apesar do peso que Boudain dá ao ofício, e da imensa força de vontade necessária para pular da cama diariamente e sair correndo por ai, que Murakami deixa explícita em seu livro.

Michel Roux Jr antes da Maratona de Londres e Gordon Ramsay durante a de NY

Seguindo um conselho do romancista corredor, sempre que atingir uma meta na corrida se dê de presente uma recompensa, eu comprei o livro The Marathon Chef, de Michel Roux Jr., com receitas de um chef para corredores. Mas só abrirei ele quando minha segunda meta for atingida. 40 min.

Cozinho porque amo. Corro porque quero. Pelo menos é assim que as coisas estão agora.