Meu, da Ana e da Darina: Um iogurte de verdade

por Sal e Sol

Receita da Darina Allen, publicada no La Cucinetta e incorporada na minha vida “forever”!

Tanto tempo tomando iogurte cor-de-rosa de garrafa e eis que de repente, não mais que de repente, meu-amado-noivo-e-futuro-marido entra na minha vida com iogurtes naturais geralmente desnatados. Foi um avanço e tanto, vocês não tem idéia do que é se livrar dos corantes e excesso de açucar de um iogurte de plástico para um outro um pouco melhor. E pronto, já era uma pessoa feliz até que certo dia num dos lugares mais lindos e tranquilos que já estive, a pousada Aldeia Beijupirá, tive o prazer inenarrável de provar o melhor iogurte do mundo, praticamente um queijo, ele me seduziu e me fez pensar como, onde, porque eles tem essa preciosidade e eu viverei sob o império dos copinhos plásticos.

Eu ainda nem tinha feito manteiga em casa, o que significa que nunca tinha pensado no potencial de transformação do “petróleo” da vaca.

Foi assim que me deparei com um post muito persuasivo do blog da Ana, que eu adoro, amo de paixão e para a alegria de todos os leitores voltou a ativa.

O título do post era “O melhor iogurte do mundo – de verdade. Mesmo. Palavra”.  Tem coisa mais verdadeira do que essa?! Mas medrosinha que sou, demorei, refleti, lembrei das coalhadas com cheiro desagradável que minha vó fazia… =/ E ontem, como quem não quer nada, levantei do sofá, comprei 3 litros de leite e comecei o processo de descoberta de um caminho sem volta.

Já era iogurte-dependente, depois do meu feito da última noite, posso afirmar que meu estágio é avançado nesse vício.

Ei-lo!