Sweet Sexta: Bolo de Cenoura e muitas sextas sem sweet

por Sal e Sol

photo

Ah, a maternidade! Dizem que é cor-de-rosa. Às vezes não é tão rosa assim, mas parece que tudo compensa. Enjôos, dor nas costas, azia, dores de cabeça, uma coisa aqui, outra ali, mas passa. E passa rápido viu?! Um dia desses estava aos prantos e em pânico quando vi o resultado do exame de farmácia. Foi bem cinematográfica a cena, com direito a repetição e confirmação com exame de sangue. Mas só acreditei mesmo que estava grávida quando a médica, ao vivo e a cores, me disse que era gravidez e não qualquer outra coisa. E a ficha só caiu de verdade quando ouvi pela primeira vez o batuque ligeiro do coraçãozinho no ultrassom. Tudo tem ido bem, dentro dos conformes. Agora com exatos 6 meses e 6,5 kg a mais, o último trimestre se aproxima. É a hora de arrumar a casa, deixar o cantinho pronto, fazer as malas e pensar na nova rotina que vamos adotar quando a pequena Olívia estiver por aqui, finalmente.

É verdade que nossa rotina é muito tranquila, a minha especialmente, já que quando comecei a enviar meu currículo para padarias em busca de um estágio descobri que já tinha uma ciabatta no forno e meus planos estariam adiados por um bom tempo. Enfim…

O Felipe trabalhando em casa, o Nico revezando o sono no sofá, poltrona, cama e eu tentando não entrar em parafuso e pensando em receitas realmente saudáveis e rápidas para as primeiras semanas da O.

Nesse meio tempo pensei em criar um planejamento mesmo, daqueles com dia para cada coisa, mas o marido ficou bravo e disse que detesta planejamento, mesmo assim pensei: vou fazer a sobremesa do fim de semana na sexta, o pão da semana no domingo, a feira na quinta, 2 dias de carne, 2 dias de peixe, 1 dia de frango e seja o que deus quiser no fim de semana, e salada, muita salada…

Vamos ver se vai dar certo. Porém, bem mais cedo do que eu imaginava a primeira parte dos meus planos foi por água abaixo. A Dra. Obstetra me pediu gentilmente que não comesse doces, açúcares e afins até a O. nascer. Nenhum motivo evidente de preocupação, mas pediu para que eu pelo menos reduzisse. No meu caso reduzir é igual a cortar, já que praticamente não como nada de açúcar, não sou muito fã de doces, mas um bolinho de vez em quando sempre me passava nos pensamentos. Não preciso ser radical, e nem serei, mas o desafio do cheese cake foi adiado e muitas outras coisas que envolvem açúcar também. O problema não é propriamente comer, o problema é que quando eu faço sempre é o suficiente para nós dois e mais alguns. E nós somos só dois. É melhor eu comer uma fatia de vez em quando, do que três em um único fim de semana. =/

E foi assim que fiz meia receita antes da consulta, meia depois e comi minha fatia com gosto e disse para mim mesma au revoir Sweet Sexta até o Olívia nascer.

Paciência.

A receita é desse livro super legal que ganhei e precisarei encostar por um tempo. Bolo de Avó traz 60 receitas de bolinhos clássicos como banana, cenoura, chocolate, Souza Leão e por ai vai. Bolo de filha que daqui a pouco será mãe e adora um bolo de avó.

Bolo de Cenoura (do livro Bolo de Avó)

  • 3 cenouras médias picadas
  • 1/2 xíc. (chá) de óleo
  • 4 ovos
  • 1 xíc. (chá) de farinha de trigo
  • 1/2 xíc. (chá de amido de milho
  • 1 col. (sopa) de fermento em pó
  • 1 e 1/2 xíc. (chá) de açúcar
  • 200 g de chocolate ao leite picado
  • 2 col. (sopa) de creme de leite

Preparo

Bata no liquidificador as cenouras, o óleo e as gemas. Passe para uma tigela e acrescente farinha de trigo, o amido de milho, o fermento em pó e o açúcar. Misture bem. Bata as claras em neve e incorpore delicadamente à massa. Coloque em uma forma untada e enfarinhada e leve ao forno pré-aquecido em temperatura média por 40 minutos. Espere esfriar. Derreta o chocolate com o creme de leite em banho-maria e cubra o bolo. Corte em fatias quadradas.